fbpx

A aparência engana? 3 dicas para ela te abrir oportunidades

A aparência engana? 3 dicas para ela te abrir oportunidades

14 de julho de 2019 Blog Comunicação 0
18818 - A aparência engana? 3 dicas para ela te abrir oportunidades

Em milésimos de segundos nossa primeira impressão é formada. Nesse pequeno espaço de tempo temos que estar prontos para mostrar nosso melhor, em todas as esferas. Atentamos muito ao que falar em situações de interação social, mas acomunicação é mais do que verbal: 85% do que você diz é através da sua expressão corporal, o que inclui desde postura, forma como se veste e cuidados pessoais. É a partir disto que questionamos: a aparência realmente engana?

Nossa formação enquanto humanos nos eu uma série de elementos para proteger nossa espécie de ameaças. Um desses elementos é nossa primeira impressão. Como? Sempre que avistamos algo com aparência ameaçadora tendemos a lutar ou fugir. Geralmente a escolha feita é o afastamento a partir da sensação de repulsa, e isto tudo é feito instintivamente pela parte mas primitiva do nosso cérebro, sem um julgamento consciente imediato.

Sem esta repulsa ao que é ameaçador, nos envolveríamos com itens física, psicológica e socialmente contaminantes. Dessa forma, arriscaríamos a nossa sobrevivência. É um belo sistema de defesa da nossa espécie, mas a nossa pouca consciência disso limita nossos resultados e nosso julgamento também.

O primeiro alerta já fica aqui: Não adianta a embalagem ser linda se o que está contido é pobre. Desenvolver nosso conteúdo pessoal é essencial para gerar impacto positivo. Então, vale apostar em cursos, informação sobre atualidades, treinamentos, experiências práticas e networking com pessoas que agreguem conhecimento. Contudo, a grande questão é: como usar as aparências para apresentar esse nosso real conteúdo nos primeiros segundos de contato?

1) Extremidades

As extremidades são as áreas mais “à mostra” do nosso corpo, com as quais o contato se inicia: dedos, unhas, a pele do rosto, olhos, cabelo e nariz. E o que a ciência da confiabilidade (que estuda os porquês de acreditarmos nas pessoas) diz é que essas extremidades precisam estar limpas. A aparência de sujo delas pode gerar repulsa imediata no seu interlocutor e quebrar uma grande oportunidade!

unhas 2 - A aparência engana? 3 dicas para ela te abrir oportunidades

Você já conversou com aquela pessoa que tinha uma bela “francesinha de pedreiro”? Repare agora o quão atento(a) você ficou às unhas dela, deixando de lado inclusive o que esteve falando, por mais importante que tenha sido. Qual o sentimento que você teve diante isso? Nojo? Medo? Angústia? Vontade de se afastar? Justamente.

Se você não quer que essa seja a sua primeira impressão, cuide de: evitar excesso de oleosidade nos cabelos e na pele, limpar o nariz, manter as unhas limpas (e, se você usa esmalte, evitar que fique visivelmente descascando)… O básico de higiene pessoal para evitar que você seja, inconscientemente, visto como ameaçador(a).

2) Roupas

Você já encontrou alguém que parecia desalinhado(a), com aparência de desleixado(a) ou arrogante por causa das roupas que usava? Para evitar este tipo de gafe é importante prestar a atenção a três pontos: tamanho, elegância e minimalismo.

2.1. Tamanho:

roupa apertada 1 - A aparência engana? 3 dicas para ela te abrir oportunidades

Essa é a dica que pode evitar que você seja pego(a) de “calças curtas”. Usar roupas folgadas, apertadas e menores ou maiores que nossa altura pode gerar uma impressão desfavorável para um contato inicial. Geralmente, este tipo de erro apresenta você como alguém desleixado e, além disso, é altamente desconfortável. A pessoa com uma roupa fora do seu tamanho fica incomodada, ajustando aqui e ali, minimizando a confiança que ela sente e que passa na situação social.

2.2. Elegância:

Não é sobre usar roupas caras e de marca, e sim sobre saber vestir-se conforme a situação pede. Uma das situações onde isto mais acontece é em entrevistas de emprego. Já entrevistei candidatos(as) a cargos operacionais básicos que compareceram de terno e gravata, bem como candidatos(as) que foram de roupas casuais para tentar cargos de gestão, e ambos casos são inadequados. Muitos falam “é melhor errar pelo excesso do que pela falta”, mas este tipo de erro é igualmente importante, podendo gerar uma impressão de arrogância, deslocamento ou sisudez.

Para evitar falhar, analise o que a situação pede. Relembre momentos similares que você já presenciou, use o amigo Google ou pergunte a pessoas que já viveram algo parecido. Esta pequena atitude pode te livrar de uma ideia errada sobre você apenas pela aparência.

2.3. Minimalismo:

Menos pode ser mais. Usar estampas fortes com vários acessórios e cores pode tornar seu visual confuso, a depender da situação. Muitas informações podem desviar a atenção do interlocutor(a) para suas roupas, mas não em tom de apreciação. A impressão dada pode ser de alguém espalhafatoso, objetivado(a) a chamar a atenção. Na dúvida use cores neutras, podendo ser equilibradas com uma peça-chave colorida, para não poluir seu visual.

3) Linguagem corporal

Sua postura influencia muito nos primeiros segundos de contato. Quanto você encontra alguém sentado de maneira relaxada, com as pernas apoiadas em uma cadeira em plena reunião de trabalho com a diretoria da empresa, como você o/a interpreta?

Se você se apresenta a um possível cliente com ombros caídos, aperto de mão frágil e olhares imprecisos pode ser que sua credibilidade não trabalhe a seu favor em um primeiro momento. Uma pessoa confiante costuma manter-se ereta, olhar nos olhos e ombros levantados, mostrando que se sente confortável com a situação.

O mais bacana da linguagem corporal é que ela é influenciada pela nossa fisiologia (como nos sentimos), mas o inverso também ocorre. Segundo pesquisa da Universidade de Harvard, passar 30s por dia na “posição do superman” pode te dar um gás de coragem. Esta pose aumenta os índices de testosterona, diminui o cortisol, aumenta o desejo por risco. Sabia? No seu famoso TED talk, Amy Cudy, professora de Harvard responsável por esta pesquisa, fala mais sobre o que ela chama de “Power Pose” (pose de poder):

TED de Amy Cudy sobre a “Power Pose”

Sabendo desta informação, devemos usar esta estratégia para fortalecer o sentimento e a expressão da confiança. Afinal de contas, confiança é a chave para as conexões de toda ordem, e você só a demonstra se estiver confiante com a situação. Ninguém aposta naquilo que não acredita, e isto vale também para as primeiras impressões e para sua relação consigo.

Você pode fazer suas oportunidades de networking valer deste os primeiros milésimos com estas dicas. Então, cuide bem de sua aparência, pois ela abre portas. Porém, não esqueça que cuidar do conteúdo que você vai apresentar após o primeiro aperto de mãos. Ele vai somar à sua apresentação visual para manter as conexões que você inicia.

Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta