fbpx

5 coisas que você conquista em uma profissão que ama

5 coisas que você conquista em uma profissão que ama

12 de junho de 2020 Blog Carreira e projeto de vida 0

A maioria das pessoas experimenta a dura realidade da profissão sem paixão. São turnos de trabalho sem entusiasmo, criatividade e perspectiva, adiados apenas pela noção de obrigatoriedade que há pelo custo natural de viver em nossa sociedade.

O problema é que, pela descrença na sua própria possibilidade de ter uma vida profissional menos frustrante, muitas pessoas deixam de refletir sobre as vantagens existentes em ter uma. Mas quais seriam, de fato? O que elas trariam de positivo para as pessoas e as organizações? E como construir uma cultura de trabalhos mais apaixonantes desde já?

1. Picos de motivação

Esse é o ponto que parece mais óbvio, mas muitas vezes o óbvio precisa ser dito para esclarecermos pontos importantes. Se a sua carreira lhe traz insatisfação e falta de ânimo porque é algo que não gosta de fazer, o efeito oposto é experimentado ao viver algo que realmente faz sentido para você.

Nosso cérebro trabalha à base de recompensas, e trabalhar com o que gostamos é como dar recompensas imediatas a ele o tempo todo, gerando níveis de motivação super interessantes. Isso é positivo para nossa satisfação com o trabalho (específica), felicidade (mais geral) e para a própria produtividade.

2. Uma profissão que ama promove criatividade

Quando nos envolvemos em atividades que gostamos, usamos nosso lado mais natural, intuitivo, interessado e perspicaz. E o que, se não isso, é capaz de despertar a criatividade? Nos entretemos buscando a melhor solução, os melhores caminhos e não consideramos monótona a descoberta de desafios naquele campo. Assim, fica mais fácil fazer uma ponte entre nossos conhecimentos anteriores e as questões postas no nosso trabalho que gostamos, além de misturá-los formando novos dados.

3. Percepção de um tempo melhor aproveitado

Sabe aquela sensação de que o tempo não passa? Ela é comumente experimentada quando estamos fazendo algo que não gostamos, seja ficar na fila de um banco ou no trabalho que não gostamos. Se nos envolvemos em algo, nos desligamos do tempo cronológico por estamos 100% focados na atividade. Assim, o tempo passa mais rápido e não há, tão frequentemente, aquela sensação de sua vida estar – vagarosamente – sendo desperdiçada.

4. Engajamento laboral

As empresas perdem muito quando vêem que seus times não estão contribuindo com suas atividades de forma eficaz, mas também quando não estão realmente conectados ao que fazem. E sabe por que? Por que um(a) profissional insatisfeito trabalha mal, não “veste a camisa” e é facilmente conquistado(a) por uma outra proposta de trabalho que pague melhor ou que – mesmo que pague a mesma coisa, ou menos – atenda suas necessidades de realização.

Os altos índices de turnover (palavra emprestada do inglês para descrever o fluxo de demissões em uma empresa), por sua vez, geram gastos com admissões, demissões, e uma alta curva de aprendizado técnico, comportamental e cultural da nova pessoa a assumir o cargo. É por isso que o engajamento é uma palavra importante, não só nos meios digitais.

Quando falamos em profissões que amamos, estamos apontando para um maior nível de engajamento laboral. Nesse contexto, as pessoas se conectam mais com os trabalhos que executam e reduzem o movimento das empresas de adaptação.

O que dificulta é que muitas pessoas ainda têm baixo nível de autoconhecimento para entender o que realmente gostam para se encaminharem para oportunidades mais bem-direcionadas. As restrições financeiras também podem levar pessoas a caminhos profissionais não desejados por necessidades de arcar com seus compromissos, permanecendo em uma profissão temporária por mais tempo que o desejado.

5. Autenticidade

Talvez esse seja o ponto que mais fale sobre mim. Autenticidade é um dos meus valores mais importantes, pois nos permite ser livres para ser quem somos. Permite a paz de não fingir, não viver algo que não faz sentido ou seguir algo por protocolo ou obrigatoriedade moral.

Ao ter uma profissão que gostamos, temos um ganho em autenticidade porque libertamos nosso lado mais espontâneo. Afinal de contas, o que amamos fazer é isso! Se eu amo de trabalhar com desenvolvimento pessoal de forma autônoma, isso fala muito sobre minha preocupação com o potencial humano, sobre a liberdade de sermos quem somos, sobre felicidade, sobre trabalho, produtividade, equilíbrio, independência e muito mais. É fazendo isso que falo sobre mim, por mais que o conteúdo que eu esteja mencionando seja outro.

Não acredita que uma profissão é capaz de causar isso?

Basta lembrar da última vez que teve a oportunidade de trabalhar com algo que gostava muito. Provavelmente sua motivação estava no alto, você se envolvia na atividade com muitas ideias, sugestões, fazia questão de estar presente e atuante, não viu o tempo passar, estava sendo 100% você e se sentiu muito bem após esse período.

Primeiramente, olhe isso sob o ponto de vista de gestão. Se você visse alguém em sua empresa sob esse nível de paixão com seu trabalho, ficaria feliz? Acreditaria que essa pessoa seria mais capaz de trazer resultados positivos ou negativos? Você confiaria ouvir sugestões e ideias? Lhe daria – conforme o seu nível de maturidade organizacional e pessoal – mais autonomia e responsabilidade? Incentivaria a manter assim? Se sentiria contribuindo para o desenvolvimento da satisfação de seu colaborador(a)?

Agora pensando em si mesmo(a): Você se sentiria bem, feliz e produtivo(a) trabalhando sob essa mesma sensação todos os dias? Se você respondeu que sim, já entendeu o meu argumento.

Trabalhar com o que ama vai além do clichê motivacional e contribui para o desenvolvimento pessoal do time, a satisfação de cada pessoa dele e a produtividade empresarial. Nos faz enxergar que nós somos só trabalho, mas que a vida pessoal e o trabalho – a cada dia mais – coexistem e se interferem, e por isso temos que estar mais atentos e atentas a esta relação.

Se você deseja entender mais sobre como trabalhar com o que ama, escrevi um livro chamado Faça o que ama e seja pago por isso, distribuído pela Amazon nas versões física e digital. Nele trago conceitos, ferramentas e técnicas para repensar e traçar seu projeto de vida de forma autêntica, sem deixar de pagar seus boletos no fim do mês. Se quiser conhecê-lo, basta clicar aqui.

Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta