fbpx

5 Sinais de que você está se sabotando

5 Sinais de que você está se sabotando

6 de janeiro de 2019 Blog 0
brain 3446307 1920 - 5 Sinais de que você está se sabotando

A auto sabotagem é a tendência que temos em manter atitudes auto destrutivas, o que inclui desde abandonar projetos (pessoais ou profissionais) diante mínimas dificuldades a desvalorizar seu próprio potencial.

Para muitos, a auto sabotagem é sua “melhor inimiga”. Anda de mãos dadas com ela, sem notar o mal que tem causado para sua vida, de curto a longo prazo.

Ela pode se apresentar de diversas formas, mas algumas são bem características e podem ser a pista para que você ligue o “alerta” e repense seu modelo mental:

1) Você dá desculpas para evitar desafios e procrastina atividades importantes

Quando você cria empecilhos (conscientemente ou não) para não enfrentar o que te amedronta, é sinal de que está se sabotando. Sabe aquela coisa que só de pensar em realizar, você sente o medo te dominar? Perceba: toda vez que você tenta realizá-la, aparecem 1820385730 coisas “mais importantes” e mais interessantes que roubam você da atividade. Este é um sinal importante de auto sabotagem.

Você tem uma importante apresentação do trabalho para fazer, mas vive adiando, seja para fazer faxina, assistir um filme ou tirar um cochilo. Adia até o último segundo, quando não tem mais outra escapatória a não ser realizar a atividade (realizando-a mal e confirmando a sua crença). Quem nunca passou por algo semelhante?

O medo da responsabilidade que essas coisas causam é o gerador da procrastinação. Saber que esta atividade te prepara para algo que te desafia gera o gatilho que leva você a se sabotar.

2) Você vive procrastinando coisas importantes

Você tem uma importante apresentação do trabalho para fazer, mas vive adiando, seja para fazer faxina, assistir um filme ou tirar um cochilo. Adia até o último segundo, quando não tem mais outra escapatória a não ser realizar a atividade. Quem nunca passou por algo semelhante?

O medo da responsabilidade que essas coisas causam é o gerador da procrastinação. Saber que esta atividade te prepara para algo que te desafia gera o gatilho que leva você a se sabotar.

3) Você não se considera merecedor(a)

Algumas pessoas são reféns do pensamento de que não são merecedoras de coisas boas, mesmo que sejam frutos de suas próprias ações. Essa condição afeta cerca de 70% da população mundial e se chama Síndrome do Impostor (1). Quando alimentamos esse tipo de pensamento, vivemos sob inércia e/ou fuga constantes e obtendo como resultado a frustração por realmente não alcançar o que desejamos.

Observe: pensar que você não é merecedor(a) de coisas boas faz com que você fuja ou não faça nada. E qual é o resultado comum a pessoas que agem dessa forma? Fracasso! Afinal de contas, quem nada faz, nada obtém. Então, como disse o autor americano T. Harv Eker no seu livro “Os segredos da mente milionária”: “A sua programação conduz aos seus pensamentos; os seus pensamentos conduzem aos seus sentimentos; os seus sentimentos conduzem às suas ações; as suas ações conduzem aos seus resultados” (2).

4) Você tem dificuldade em dizer não

Uma das formas menos faladas de auto sabotagem é quando você busca aceitação dos outros e começa a priorizar atividades que agradem-os. Dessa forma, começa a não priorizar suas próprias coisas e, por meio de um “sim” mal pensado, você aceita realizar uma série de coisas. Esse tipo de auto boicote pode gerar sobrecarga e afastamento de seus objetivos pessoais.

Ajudar ao próximo é algo diferente de buscar aceitação contínua. Temos que separar os dois conceitos e tomar como prioridade nosso próprio desenvolvimento de modo a termos condições de, assim, podemos contribuir mais com o outro. É como a indicação de emergência da aviação: em caso de despressurização, máscaras irão cair. Ponha primeiro a sua para depois então ajudar a outras pessoas.

5) Você tenta controlar tudo o tempo todo

Este tipo de autossabotagem gera constante frustração, pois não temos controle absoluto sobre nada. Os “se” fazem parte da nossa vida, com todas suas possibilidades, e pessoas – mais do que tudo – são complexas, por isso
Principalmente nos relacionamentos (profissionais e pessoais), a constante tentativa de controlar tudo é altamente sabotadora.

A mente de uma pessoa controladora busca o tempo todo o que pode dar errado, verificando tudo e se perguntando “O que pode dar errado?”, “E se não der certo?” ou, pior ainda, “Isso definitivamente não vai dar certo!”.

Tentar controlar a tudo e todos pode até funcionar a princípio e gerar resultados bons, mas em pouco tempo isto repele as pessoas, limita sua capacitada e criatividade e gera ressentimentos.

Como parar de se sabotar?

A auto sabotagem, independente do tipo, gera frustração, pois ficamos longe de ter a performance pessoal e profissional que desejamos devido a crenças que nos limitam.

O primeiro passo para mudar é reconhecer que você se sabota e se observar na intenção de sentir quando você está prestes a se sabotar. Essa etapa é extremamente portante porque você assume o controle sobre as crenças que te fazem se boicotar.

Não existe uma fórmula secreta de como eliminar essa recorrência de auto sabotagens, pois cada caso é particular e necessita de atenção especial, mas sugiro um execício que pode ajudar a te destravar.

  1. Pegue um papel
  2. Escreva “Eu não consigo (fazer tal atividade/tomar tal ação) porque (justificativa)”
  3. Depois tente criar uma declaração opositora, uma frase que combata a ideia que você preencheu anteriormente. Tente até conseguir.

A ideia é que você comece a verificar a veracidade dessas expressões para que elas deixem de ser tão influentes sobre sua realidade.

Comece hoje a mudar sua vida através da mudança de mentalidade.

Fontes: (1) INSTITUTO DE HOMEOPATIA JAMES TYLER KENT; GRUPO DE ESTUDOS MASI ELIZALDE. A Síndrome do Impostor. Disponível em <http://ihjtkent.org.br/pdf/anexo-salixfragilis.pdf>. Acesso em 28 de Dezembro de 2018.

(2) EKER, T. Harv. Os segredos da mente milionária. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.

Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta