fbpx

Descobrindo seus reais pontos fortes e fracos

Descobrindo seus reais pontos fortes e fracos

19 de março de 2018 Blog 0
girl 2696947 1920 - Descobrindo seus reais pontos fortes e fracos

Se alguém te perguntar hoje “Quais são seus maiores pontos fracos e pontos fortes?“, você se sentiria seguro a responder? Iria saber o que dizer de verdade, para além dos clichês automáticos? Em situações como essa, duas reações são mais comuns:

  1. Dizer clichês que vêm à mente e que você acredita que serão importantes para aquela pessoa que te pergunta;
  2.  Não saber o que responder e travar.

No primeiro caso, por não saber o que dizer, imprimimos em nossa fala uma série de adjetivos que são socialmente esperados em alguém na situação em que estamos. Um grande exemplo disto se encontra nas entrevistas de emprego. Os candidatos comumente falam que seus valores são “honestidade”, “respeito” e “estudos” e que seus principais adjetivos rodeiam aspectos que apontam para produtividade, pontualidade e perfeccionismo (este último como um “defeito”). Os facilitadores tendem a estar cansados de ouvir as mesmas palavras, e reconhecem com certa facilidade quando são repetidas de maneira automática.

Por outro lado, quando travamos, bloqueamos imediatamente aquela oportunidade que estava à nossa frente por falta de conhecimento sobre quem somos. É pior não dizer nada, ou um clichê que não necessariamente corresponde a quem sou?

Como tudo que envolve o ser humano, não há fórmulas que caibam a todos e todas situações. Contudo, existem algumas práticas que podem ser cultivadas para nos auxiliar neste processo de autodescoberta. Algum deles pode servir à sua realidade:

Pontos fortes: alguns caminhos para conhecê-los

Todos temos pontos positivos. Por mais que às vezes nós não reconheçamos, mas há algo que sabemos fazer bem feito ou que se destaca positivamente em nossa personalidade, e que costuma chamar a atenção de alguém. Pode ser jogar bola, fazer bolos, falar em público, fazer a unha, escrever, tomar iniciativa, desenhar, cortar cabelo, aconselhar, cuidar de idosos, se colocar no lugar do outro, desenhar vestidos, consertar eletrodomésticos, cumprir objetivos… Há algo em você que é especial, feito com um toque a mais de excelência. Costumamos chamar esse “algo” de talento, dom ou aptidão, um brilho diferente que nem sempre reconhecemos.

Caminho 1: Feedbacks que as pessoas costumam dar sobre o que você faz.

Por mais que não vejamos de imediato, outras pessoas podem notar e te indicar o que você faz de bom. Te convido agora a experimentar que coisas seriam essas. Pegue um papel e caneta, ou o próprio bloco de notas do celular ou computador para começarmos:

Ação n°1: Pare para pensar: você se lembra de alguma vez que alguém te disse algo como “Ficou muito bom mesmo!” ou “Você é muito bom nisso!”? Pode ter sido alguém da escola, da faculdade, do trabalho, da família, da vizinhança, em um ônibus ou na igreja; Pode ter sido ontem ou há anos atrás.

Ação nº2: Faça uma lista todas as aptidões que você lembrar dessas situações, sem exceção. Desde aquela que você considera simples, até alguma mais complexa; as que você sabia e as que são novidade. Todas.

Ação nº3: Pense quais outras habilidades são necessárias para realizar essas coisas que você listou. Ex: Cozinhar – Criatividade, Atenção, Capacidade de seguir um planejamento (receita) pré-estabelecido, etc.

Ação nº4: Destaque agora com um “+” ao lado, aqueles talentos e habilidades que você não tinha se dado conta que possuía.

Dessa forma, além das atividades mais objetivas, podemos compreender que outras habilidades estão por trás disto. Há um vídeo meu no Youtube que fala um pouco mais sobre a pergunta que acabamos de tentar responder: “No que eu sou bom?”Confira o vídeo abaixo:

[yt4wp-video video_id=”drdOwSWVs2A”]

 

Meus pontos fracos (ou de melhoria): como descubro?

Caminho 1: Dificuldades

Nossas dificuldades falam muito sobre nossos pontos de melhoria. Tente, a princípio, se concentrar em listar as atividades que você realiza mal ou com dificuldade. Tem dificuldade de apresentar trabalhos na escola ou faculdade? Não consegue desenhar tão bem? Aponte na sua lista as dificuldades que soem como importantes para você, com real impacto na sua vida.

Caminho 2: Feedbacks

Novamente estamos nos concentrando no que as pessoas já nos disseram. Podemos ficar cegos quanto aos nossos defeitos, e para isso uma “terceira visão” pode ser interessante. Claro, temos que lembrar que nem tudo quanto foi nos dito corresponde ao que somos, mas pode nos dar um bom panorama sobre esse assunto.

Por que sabemos tão pouco de nós mesmos?

Se surpreendeu com o que encontrou? É comum estarmos pouco atentos a quem somos, mas não deveria. O conhecimento sobre quem somos é incrivelmente poderoso, mas poucos se dão conta disto e traçam uma jornada diária em busca de se conhecerem mais. Alguns dos principais motivos são:

  • Não somos estimulados a nos conhecer. O modelo vigente de educação nos indica a conhecer a Terra, as tecnologias, a matemática, o comportamento humano, os sete mares e todos os países do mundo, mas pouco se provoca sobre o autoconhecimento. E saber quais são nossos pontos fortes e onde podemos melhorar é transformador!

  • Aprendemos desde cedo que destacar o que temos de bom é “se achar”. Há uma ligeira diferença entre mostrar seus pontos positivos e ser arrogante.

Por que preciso me preocupar com isso?

Saber sobre nossos adjetivos é importante para nos ajudar a traçar nossos objetivos de melhoria, a alcançar nossos objetivos, a responder a uma entrevista de emprego, a falar sobre si com mais segurança e até mesmo para ser consciente dos próprios limites. Não somos culturalmente preparados a navegar pelos mares do descobrimento de si, mas é sempre tempo de se conhecer.

O que fazer com este conhecimento?

Pegue esta lista que você criou e tenha-a como um norte para compreender quais são suas maiores oportunidades e onde pode melhorar. Suas características podem ser aperfeiçoadas ao longo da vida, e isso ocorre de maneira muito mais eficiente quando entende onde é mais urgente para melhorar.

Seus pontos fortes são norte para oportunidades à sua frente. Seus pontos fracos são um plano de ação imediato para seu desenvolvimento pessoal e profissional. Comece desde já a ter o autoconhecimento como ferramenta para sua vida. Ela pode ser a chave que vai “desbloquear” seus resultados.

Continue aprendendo:
Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta