fbpx

Improdutivo? Entenda já qual o melhor método de organização para você

Improdutivo? Entenda já qual o melhor método de organização para você

7 de fevereiro de 2020 Blog Produtividade 0

Você tenta, eu sei. Senta na cadeira, começa a digitar e não sai nada. Toma uma água, aplica os mais diversos métodos de produtividade e a coisa não anda. Sei como é frustrante a sensação de se sentir improdutivo. E muitos podem ser os motivos: desânimo, falta de foco, autosabotagem e até mesmo organização. Como em um artigo não se consegue dar conta de uma dificuldade tão complexa, decidi atacar um dos possíveis problemas, a organização, dando dicas de métodos de organização que podem te ajudar a produzir mais e melhor.

Vale sempre entender que não existe uma regra, e sim nortes que nos ajudam a nos orientar e nos desenvolver. Espero que esses nortes de organização ajudem você a ser mais produtivo(a).

Antes de começar a organização de fato

É importante, antes de tudo, entender mais sobre si. Caso você não se conheça, vai cair no caos da tentativa e erro das milhares de possibilidades existentes, o que pode levar muito tempo e ser muito desgastante. Entendendo como você funciona, fica mais fácil entender o que cabe para si e o que não. Ok?

Avalie questões como:

  • Como lido com rotinas?
  • Quais são as minhas características mais fortes (positivas e negativas)?
  • Quais são as coisas que eu não suporto?
  • O que pode me atrapalhar na hora de produzir?
  • Quais as coisas que me distraem facilmente?
  • O que costuma aumentar meu foco (ex: atividades físicas regulares, música de fundo, etc)?

Entendendo mais sobre a organização

Diferente da maioria dos posts sobre produtividade, não trouxe as principais técnicas de produtividade soltas, aleatoriamente. Preferi fazer um caminho que te ajude a entender quais são as melhores para você ou até mesmo criar as suas próprias. Por que não?

Para começar, é importante entender o que é a organização. Segundo tudo que apreendi nesses 5 anos de coaching e nessas décadas de vida, ela tem as seguintes fases:

  • Preparação: Aqui você monta o setup do seu local de produção. Organiza tudo e deixa o ambiente pronto para não lhe distrair tanto e lhe oferecer o máximo de estímulo para produzir.
  • Planejamento: Essa é a etapa em que você entende o que você vai produzir, como e quando.
  • Execução: Mão na massa 🙂
  • Avaliação: Depois de tudo, você vê o que deu certo e o que não deu, a fim de melhorar na próxima vez.

1) Preparação

Considerando tudo que você aprendeu, entenda quais as condições favoráveis e desfavoráveis para sua produtividade.

No meu caso, por exemplo, ter um ambiente organizado é crucial para que eu me mantenha focada. Outra coisa que me ajuda bastante é colocar uma música instrumental de fundo. Geralmente uso essa rádio 24h de música Lo-Fi que sempre me ajuda a produzir bem.

Mas, como eu disse, não tem segredo. Cada caso é particular. Talvez música só te atrapalhe, ainda mais a depender do tipo de função que você executa. Uma coisa que pode te ajudar é observar, através de tentativas já mais bem-direcionadas, e verificar o que vai dando mais certo.

2) Planejamento

Já falamos muito por aqui: sem planejamento você não vai a lugar nenhum. E para alcançar a organização necessária para ser produtivo(a), é importante você entender o método de planejamento mais eficaz para você. Isso compreende suas características pessoais, incluindo a forma que você apreende o mundo ao seu redor.

Você é uma pessoa mais visual, que gosta de detalhes visuais? Use post its, planares ilustrados, quadros brancos, esquemas gráficos e o que mais possa demonstrar seu plano de produção. Se você é mais sensorial, mais cinestésico(a), escreva suas metas e use as emoções envolvidas nelas a seu favor. Entendeu a lógica? A depender do seu perfil, você pode mudar a tática, a fim de promover o melhor resultado.

3) Execução

Há quem diga que temos que começar pelas atividades mais fáceis, outros dizem que pelas mais difíceis. Já ouvi também que devemos respeitar nossos horários biológicos, enquanto que existem defensores de uma rotina produtiva matinal. O que a experiência me conta é que não há regra e que tudo varia conforme seu objetivo e perfil.

Pessoas altamente procrastinadoras tendem a ter mais facilidade iniciando suas atividades por aquelas que são mais simples, pois vão se motivando com as conquistas e ganhando ânimo para as mais desafiadoras. Mas caso você seja uma pessoa que tem um declínio de ânimo e produtividade, começar pelo mais difícil pode ser uma saída. Tudo é questão de autoconhecimento e teste.

Quanto aos horários, se você quer ter uma rotina em “horários comerciais”, cabe readaptar-se para produzir dentro dessa faixa. Se não há alternativa, ou a diferença de produção é muito maior, ou realmente você optou por uma vida noturna, pode migrar seus turnos de produção para a noite, sem nenhum problema. O seu estilo de vida e trabalho devem ser desenhados apenas pelos seus próprios moldes.

4) Avaliação

Depois disso tudo, pare e analise tudo que foi feito. Avalie os erros e acertos com o fino senso crítico que temos que ter sobre nós, sem a autodepreciação que cancela os planos futuros. Esse momento deve ser uma provocação à ação e não um momento de lamento. Entenda o que – entre o que não deu certo – precisa ser descartado e o que precisa apenas de alguns ajustes, comemore o que deu e elenque o que deve ser feito após isso.

Em seguida, o ciclo volta a girar. Dessa vez, sem tanta frustração ao olhar para as atividades para fazer. Da próxima vez, menos ainda. E a cada vez vamos aprendendo a entender mais sobre nós e sobre nosso aperfeiçoamento. Conto com você nessa jornada!

Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta