fbpx

Escutatória: a habilidade de ouvir de verdade

Escutatória: a habilidade de ouvir de verdade

25 de novembro de 2016 Liderança 0
listen 1702648 1920 - Escutatória: a habilidade de ouvir de verdade

Em meio a tantas skills sobre quais somos incentivados todos dias a aperfeiçoar, está a oratória. Fala-se que bons líderes, ótimos profissionais e excelentes empreendedores preciam saber falar. E falar bem, com eloquência, obedecendo roteiros e esquemas “de sucesso”, esquecendo de uma habilidade ainda mais importante na comunicação: a escutatória.

O que é escutatória?

Escutatória é a habilidade de ouvir de verdade, prestar atenção integral a alguém. Muitas vezes dizemos que estamos prestando atenção, mas estamos tentando resumir a conversa ou deixando de escutar de verdade o que a pessoa tá dizendo. Na imagem que temos de um diálogo, só vemos os balões de fala, mas nenhum gesto de audição. Quantas vezes você se pegou dizendo “aham” durante a conversa toda ou saindo de um papo com um amigo sem lembrar do que ele disse porque você não prestou atenção?

Porque  preciso me preocupar com isso?

Falando de liderança, a falta da escuta ativa é muitíssimo prejudicial. Um bom líder se presta a ouvir com dedicação aos seus liderados para entendê-los e absorver contribuições maiores deles para a organização. Isso motra não só estratégia, mas também humildade e empatia. Mostra que você se importa com o liderado, e isso gera um retorno em fortalecimento de laços de confiança entre líder e liderado e também participações mais efetivas dele.

Toda pessoa que tem a cabeça voltada ao aprendizado contínuo deve treinar sua habilidade de ouvir. Seja lá qual for a área de aprendizado que você tem como foco. Como humanos, aprendemos muito ouvindo as histórias e visões de outras pessoas; Como profissionais, absorvemos experiência e conhecimento a partir do ouvir.

Essa escutatória implica em presença real. Ela exige que você se dedique ao aqui e agora, ao momento do diálogo, deixando de lado por um tempinho os mil pensamentos que povoam sua mente e dedicando sua concentração à pessoa que fala com você.

Além disso, ser um bom “escutador” não tem a ver só com atenção e audição, mas também como mostrar com sua fisionomia que você está dedicado àquele diálogo. Para isso, olhar nos olhos e manter a postura voltada para a pessoa podem ajudar. Um exemplo clássico de quem, definitivamente, não está disposto a ouvir é aquela conversa onde uma das pessoas está vidrada no celular e dizendo “aham”… “legal”… “entendi”.

Desde cedo somos treinados a ouvir para responder, e não para compreender. Essa posição na defensiva nos impulsiona a falar prontamente, sem mal ouvir o que é dito. Somos estimulados a sermos ótimos faladores e maus ouvintes.

Tá, mas como posso treinar minha escutatória?

Existe tanta coisa que pode ser feita, mas essa leitura já tá ficando bem extensa. Além disso, cada pessoa tem uma forma de reagir e agir, por isso não existem “fórmulas”. Então, o que posso dizer de maneira geral é que essa mudança parte de uma identificação do problema, é impulsionada pela disposição em mudar (isso tem que ter um sentido propulsor para você) e a criação do hábito da prática de pequenos gestos de melhoria.

Alguns pequenos gestos de escutatória para vivenciarmos:

    1. Não interrompa: além de falta de modos, é um “facão” que corta a mensagem antes de ser dita e vai contra os princípios da escutatória.
    2. Não conclua a frase da outra pessoa: “eu tava querendo fazer um curso de….” “liderança?”. Não faça isso.  Não conclua o que o outro diz. Deixe que a pessoa continua sua frase. Esse tópico é muito semelhante ao primeiro, e as observações dele cabem nesse caso aqui também.
    3. Evite dizer coisas como “exatamente”, “sim”, “pois é”, “aham”, “sei como é”: muitas pessoas ficam falando esse tipo de coisa durante a fala do outro, como se quisesse cortar o que ela diz, e isso não é legal.
    4. Não concorde: Sabe aquela balançada na cabeça que você dá no meio da conversa, para “concordar”? Então, envite-a. Muitas vezes ela dá a impressão de que você está querendo que a conversa acabe logo. Não sabe que “concorde” é esse? É esse aqui: LEdAnus - Escutatória: a habilidade de ouvir de verdade
    5. Não se distraia: foque no aqui e agora quando estiver conversando com alguém.
    6. Pergunte sobre o assunto: perguntas direcionam a sua atenção para a conversa e mostram interesse em saber mais.
    7. Não tente impressionar: escutatória é um exercício de humildade. Ela é um ato de “abaixar a bola” e dar a vez para a outra pessoa. Quando você tenta aparecer demais, a fala da outra pessoa acaba sendo “engolida”.

Concluindo

Somos estimulados desde cedo a sermos bons faladores, mas péssimos escutadores, mas isso pode mudar. Como todo comportamento de origem cultural, ele pode ser modificado e reaprendido. Um bom começo é identificar o problema, ter vontade de solucioná-lo e criar o hábito de perseguir essa melhoria.

No mais, sou toda a ouvidos.

Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta