fbpx

Os benefícios do trabalho voluntário na minha vida

Os benefícios do trabalho voluntário na minha vida

28 de abril de 2017 Blog 0
team 386673 1920 - Os benefícios do trabalho voluntário na minha vida

Quem me conhece, sabe que eu sou uma super entusiasta da realização de trabalho voluntário (consentidos e com propósitos bacanas). Poucas pessoas conversaram comigo sobre quais os reais benefícios que eu considero além do clichê (e importante) “fazer o bem ajudar o mundo”, e considero que existam reais ganhos em ter uma experiência em voluntariado, inclusive na área profissional.

Separei abaixo as sete principais contribuições do trabalho voluntário na minha vida. Preciso deixar claro que existiram muitas outras e que essas fizeram sentido para mim, e talvez não impactem você como foi pra mim. Minha pretensão é que você compreenda esse processo de desenvolvimento que passei no voluntariado e absorva para você o que fizer sentido para sua forma de vida.

Contribuições do trabalho voluntário

adult 1846428 1920 - Os benefícios do trabalho voluntário na minha vida1) Conexão com o propósito

Posso começar destacando uma real contribuição de reprogramação: passei a ver a importância de trabalhar com algo que faz sentido para mim. Passei a notar um engajamento muito maior em voluntários que amavam a sua atuação do que em profissionais que ganham bem, mas não vêm sentido no que fazem. Me questionei muito sobre, e a única conclusão que pude inferir é a de que gostar do que fazemos faz toda a diferença em relação à nossa entrega.

2) Mão na massa

Outro aspecto muito importante é o aprendizado prático. Por a mão na massa, mesmo que em uma área diferente daquilo que esperamos para nossa carreira, é de um agregamento de bagagem ímpar. Há coisas que não são apreendidas em toda sua grandeza quando apenas faladas. Não tem como ensinar a voar reprimindo o vôo e apenas lendo sobre “as técnicas de voar bem”. Desenvolvi habilidades de comunicação, produção de eventos, contação de histórias, estratégias de marketing e até mesmo desenvolvimento de negócios com trabalho voluntário.

3) Encontro de realidades

Talvez a parte mais chocante e disruptiva do trabalho voluntário é o choque com outras realidades. Muito do voluntariado é voltado a públicos com carências diversas: de alimento, de educação, de segurança, de saúde, etc. Ao se deparar (e colaborar) com contextos divergentes do seu, você expande o seu horizonte e desenvolve muito sobre humildade e empatia, principalmente. Pude confrontar situações que me fizeram repensar o que eu tinha como conceito de necessidade e o que eu estava fazendo para contribuir com essas realidades.

4) Rede de contatos

Hoje sabemos que para profissionais que querem sair na frente, é necessário ter um bom networking. E trabalho voluntário é uma excelente forma de conhecer pessoas com ideias e valores semelhantes a você em determinado aspecto. A própria participação em x programa de voluntariado já aponta que a pessoa compartilha de ideais relacionados ao projeto e sua atuação. Conheci atuais grandes amigos e parceiros profissionais em atuações voluntárias.

5) Trabalho em equipe

valor do time é aprendido em sua essência em boa parte dos trabalhos humanitários. Porque trabalho voluntário nada mais é que uma conexão de pessoas ligadas a um objetivo e trabalhando por ele. E é essa força que move o projeto e seus resultados. Se não houvesse engajamento de pessoal, não haveria ação e nãohands 1950980 1920 - Os benefícios do trabalho voluntário na minha vida haveria intervenção. Na verdade, acredito que minhas maiores lições sobre gente saíram de trabalhos voluntários, pois ali as pessoas estão de maneira não-obrigatória, podendo entrar e sair (geralmente) com maior flexibilidade, sem um compromisso financeiro… Ali estão porque querem, sendo elas mesmas em sua integralidade, sem nada que as engesse em algum padrão esperado, e convivendo com pessoas diversas.

6) Não trabalhar pelo dinheiro

Muitos só trabalham bem se forem pagos, e bem pagos. Não tiro a razão, de certa forma. Apenas tenho cautela com a  situação comum de trabalhar apenas pelo medo relacionado ao dinheiro – medo de ficar sem grana, principalmente – e não por ver sentido naquilo. E é por isso que muita gente depende de um contracheque de emprego formal ou concurso público. Medo é a pior base onde o desejo pela estabilidade (que já é complicado por si só) pode se instalar. Trabalho voluntário me ensinou a trabalhar (e bem), independente da remuneração, quando eu vejo sentido naquilo. Mas o principal: me ensinou a questionar “Por que eu não posso conseguir meu próprio dinheiro com minha própria iniciativa, fazendo algo que eu amo?”. Acredito que minha “veia” empreendedora saltou ainda mais após essa lição prática, e não tinha tomado consciência sobre ela até pouco tempo atrás.

7) Dar o meu melhor

Vamos seguir um pensamento lógico: eu escolho fazer algo que gosto e me conecto com o propósito disso. Qual a tendência do meu comportamento nessa minha atuação? Resposta: dedicação intensa. Por ver sentido nisso tudo, você dá o seu melhor. E – ao dar o seu melhor – você percebe a repercussão que isso gera no trabalho que executa. Sua produtividade aumenta e o resultado geral do trabalho também. Além disso, o seu engajamento aproxima e acelera outras pessoas também.

Depois de entender essa concatenação de fatos que acontece, “Dê o seu melhor sempre” virou uma daquelas frases que tatuo na alma, pra carregar comigo (mesmo soando como um clichê). Se mais pessoas entenderem o poder disso, muitas coisas das quais reclamamos melhorariam exponencialmente.

Comente usando o Facebook

 

Deixe uma resposta